13 Indicadores Financeiros que sua empresa deve se atentar

Entender como anda o desempenho financeiro da sua empresa irá te ajudar a tomar as melhores decisões de como investir o dinheiro do seu empreendimento.

Para isso, os indicadores financeiros irão te mostrar de forma simples e precisa de como anda a saúde do negócio.

Por isso, separamos aqui 13 principais indicadores financeiros que você precisa monitorar sempre.

O que são indicadores financeiros?

Indicadores são medidas de análise de desempenho, que apontam a situação atual.

Então, indicadores financeiros são ferramentas montadas para apresentar essa análise em questões financeiras, indicando o status do momento.

Quais são os indicadores financeiros que devemos prestar atenção?

1. Margem bruta 

Analisar a Margem Bruta significa verificar quais produtos estão com a margem baixa.

Então, esse indicador chama a atenção para o ganho que se está tendo com cada produto.

A fórmula para esse indicador é a seguinte:

  • Margem Bruta = Receita – Deduções – Custos Diretos Variáveis x 100

2. Margem EBIT 

A Margem EBIT se parece com a Margem Bruta.

Contudo, ela é diferente porque o que utilizamos é a Receita Líquida, ou seja, a receita líquida dos impostos referentes à mesma.

Esse indicador é representado por:

  • Margem EBIT = (Resultado antes dos impostos / Receita Líquida) x 100

3. Margem Operacional

A Margem Operacional apresenta uma participação das receitas da sua operação sobre o total ganho, ou seja, corresponde ao valor restante no orçamento após o abatimento das despesas, menos o imposto de renda.

Logo, a fórmula desse indicador é:

  • Margem Operacional = Lucro Operacional / Receita líquida

4. Margem líquida

A Margem Líquida mostra o quanto sua empresa lucra de verdade para cada real que entra como receita no caixa da sua empresa. 

Representando isso, a fórmula fica:

  • Margem Líquida = Receita – Deduções – Custos Diretos Variáveis – Custos Indiretos x 100

5. Margem EBITDA 

A Margem EBITDA mede o lucro do negócio, mas não conta os juros, impostos, amortização e depreciação. Por isso ela mede a capacidade que os ativos da empresa têm de gerar (ou não) fluxo de caixa.

  • EBITDA = Lucro Operacional Antes do Imposto de Renda e Receitas / Despesa Financeira + Depreciação + Amortização.

Dizem os estudiosos que o EBITDA é um referencial muito importante para avaliarmos a situação real de uma empresa. 

6. Endividamento Geral

O Endividamento Geral é o indicador que procura medir quanto dos ativos da empresa estão financiados por terceiros. Com isso, entendemos nosso nível de endividamento.

Sua fórmula é: 

  • Endividamento Geral = (Capital de terceiros / Ativos totais) x 100

7. Índice de Cobertura de Juros

O índice de Cobertura de Juros mede a capacidade da empresa de efetuar pagamentos dos juros previstos em contratos que tem, assim verificando se há a chance de quitar as dívidas sem causar impacto no orçamento da empresa.

Sua fórmula envolve o EBITDA:

  • Índice de Cobertura de Juros = EBITDA/Obrigações de Juros

8. Liquidez corrente

A Liquidez Corrente analisa se a empresa possui capacidade de arcar com todas as suas obrigações a curto prazo. Para isso faz um balanço entre as contas a pagar e receber do seu negócio. 

A construção do seu indicador se dá por:

  • Liquidez Corrente = Ativo circulante / Passivo circulante

Caso a liquidez corrente > 1, se entende que a empresa possui capital disponível suficiente para arcar com as suas obrigações de curto prazo.

Se a liquidez corrente =  1, o capital e as obrigações são equivalentes.

Quando a liquidez corrente <  1, significa que a empresa não possui, hoje, capital suficiente para arcar com todas as suas obrigações.

Ela serve para o investidor investigar a possibilidade de receber ou não proventos no futuro.

9. Liquidez imediata

A Liquidez Imediata aponta a capacidade que se possui, no exato momento, de arcar com as suas dívidas de curto prazo, sem considerar as contas a receber ou as vendas futuras do atual estoque como fonte.

Logo, seu indicador é:

  • Liquidez Imediata = (Ativos circulantes – estoque – contas a receber) / Passivos circulantes

10. Giro de caixa

O Giro de Caixa define quantos ciclos financeiros o caixa de uma empresa tem durante o período de 12 meses, ou seja, um ano.

O seu indicador é construído assim:

  • Giro de Caixa = 365/(prazo médio de estoque + prazo médio para receber as vendas – prazo médio para pagar os fornecedores)

O Giro de Caixa ser alto é uma coisa positiva, pois, quanto maior, maiores as chances da empresa apresentar um resultado sólido e ter uma boa gestão comercial, operacional e financeira. 

11. Fluxo de caixa

É o indicador que me o dinheiro que entra e sai do caixa da sua empresa em um determinado período de tempo.

É importante lembrar que o fluxo de caixa refere-se ao movimento de dinheiro no período passado. Ele não planeja, apenas mede. Mas pode servir como base para entender os gastos futuros.

Por isso, é necessário garantir registros detalhados de ganhos e gastos, com disciplina e sem erros.

12. ROI

O ROI, ou “Return over Investment”, é uma métrica  que aponta a taxa de retorno de um investimento, ou seja, quanto um investidor ganhou (ou perdeu) em relação ao valor aplicado em um determinado investimento.

Sua fórmula pode ser representada por:

  • ROI = ((Ganho obtido – Investimento) / Investimento) x 100

A unidade de medida do ROI é percentual, já que se trata da relação de retorno sobre algo.

13. Ponto de Equilíbrio

É o valor necessário para pagar todos os gastos da empresa, como custos variáveis e despesas fixas.

O ponto de equilíbrio tem diversos nomes na literatura como break-even point, ponto de ruptura, ou, ainda, ponto crítico.

O objetivo desse indicador é apontar o momento em que o lucro da empresa é zero, ou seja, quando os produtos vendidos pagam todos os custos e despesas fixas e variáveis. Desse ponto para frente é tudo lucro.

A sua fórmula é essa:

  • Ponto de equilíbrio financeiro = despesas e custos fixos – despesas não desembolsáveis/margem de contribuição
Banner1


Deixe um comentário